Empresário de Rondônia explica como começou a exportar em evento on-line da Faculdade Sapiens

29/05/2020   ·    Comércio Exterior, PEIEX

Mais de 60 pessoas se reuniram na transmissão on-line do evento “Mercado Internacional: como prospectar oportunidade$ durante e pós-crise” realizada no dia 27 de maio pela Faculdade Sapiens, por meio do núcleo Programa de Qualificação para Exportação (Peiex).

O evento contou com a mediação da Chirlany Mendanha, diretora acadêmica da Faculdade Sapiens, e com palestras do Cley Muniz, proprietário da Dydyo; Andrews Botelho, técnico da Peiex; Essio Lanfredi Neto, representante do escritório Norte da Apex-Brasil e Gláucia Linhares, psicóloga especializada em neurociência.

“O objetivo é compartilhar conhecimentos, experiências e informações de forma a contribuir para todos os presentes, empresários, parceiros e estudantes, para que possam ter equilíbrio com esse momento”, explica Chirlany Mendanha.

O empresário da Dydyo contou sua experiência com a exportação, que começou de forma passiva, apenas esperando os pedidos de fora. Tal realidade mudou em 2019, quando a empresa conheceu o núcleo Peiex, que, segundo ele, deixou o processo menos burocrático por centralizar tudo que o empresário precisa saber.

“Em 2019 criamos uma política interna de exportação. Ficamos muito felizes com a chegada do Peiex por ser esse núcleo de informação. Por lá circulam traders, pessoas que exportam muito, grandes exportadores, e no curso do processo você acaba fazendo networking”, explica Cley.

O empresário conta que fez planejamento de marketing, análise dos produtos concorrentes, pesquisa de mercado para saber qual o sabor que cada região tinha. “Cada região tem sua cultura e a empresa tem que se adaptar a eles”, conta.

A Dydyo começou seu processo de exportação em outubro de 2019, e tudo estava funcionando normalmente, até que chegou a pandemia. O momento complicou os planos, mas foi visto como uma oportunidade de avançar no planejamento.

“Colocamos nosso foco em cadastrar os produtos e fazer a documentação, e estamos trabalhando outros produtos que ainda não estavam aprovados pelo governo boliviano. Quando as fronteiras se abrirem normalmente vamos ter novos produtos para ajudar no nosso faturamento de exportação para Bolívia”, disse o proprietário da Dydyo para uma audiência virtual atenta.

Em outro momento da transmissão houve a exposição dos técnicos da Peiex. Andrews Botelho explicitou a necessidade de usar essas informações para enxergar as oportunidades que o produto pode ter no exterior, aprendendo como se comporta o mercado.

“Quem é que está lá na ponta, qual o perfil? Saber como o produto é exposto lá na gôndola. Será que o produto tá numa área quente ou fria? Será que tá bem apresentado? E quem é o consumidor da Dydyo na Bolívia?”, explica Andrews.

O representante do escritório Norte da Apex-Brasil, Essio Lanfredi Neto apresentou as ferramentas que o empresário pode usar nesse momento, por meio do site www.apexbrasil.com.br onde estão reunidas todas as informações.

“No universo que vocês atuam, é importante que vocês passem a utilizar essa plataforma para exercitar essa curiosidade e avançar no mercado internacional sem sair de casa”, explica Essio.

Já a psicóloga Gláucia Linhares explicou que o isolamento social gera isolamento emocional. “Diante de uma experiência contrária temos duas opções, reagir com o cérebro antigo, que foca nas experiências negativas, ou reagir com o cérebro maestria que nos dá clareza mental, nos dá equilíbrio emocional que precisamos tanto nesse momento”, conclui a psicóloga.

Clique fora do campo ou botão para fechar